UM BLOG A SERVIÇO DE CRISTO

sábado, 14 de junho de 2014

257 - JESUS RESSUSCITOU DOS MORTOS? 1ª PARTE



Todos temos curiosidade de saber sobre o que acontecerá conosco depois da morte.

Quando um ente querido morre, queremos vê-lo novamente assim que chegar nossa vez.

Teremos um encontro glorioso com aquele a quem amamos ou a morte é o fim de toda a consciência?

Jesus nos ensinou que a vida não termina depois da morte de nossos corpos.

Ele fez esta declaração impressionante

“Eu sou a ressurreição e a vida; quem crê em mim, ainda que esteja morto, viverá.” 

Segundo as testemunhas oculares mais próximas a Jesus, Ele demonstrou seu poder sobre a morte levantando-Se dos mortos depois de ter sido crucificado e ficar sepultado por três dias.

Essa é a crença que tem dado esperança aos cristãos nestes quase 2.000 anos.

Mas algumas pessoas não têm nenhuma esperança em vida após a morte.

O filósofo ateu Bertrand Russell escreveu, “Acredito que, ao morrer, apodrecerei e nada do meu ego sobreviverá”. - Paul Edwards, "As grandes mentes: Bertrand Russell," livre investigação, dezembro de 2004/Janeiro de 2005, 46.

Russel obviamente não acreditava nas palavras de Jesus.

Os seguidores de Jesus escreveram que Ele apareceu vivo para eles depois da crucificação e do sepultamento.

Eles alegam que além de vê-Lo, tomaram refeições com ele, tocaram-No e permaneceram juntos por 40 dias.

Então, será que isso é simplesmente uma ficção que se desenvolveu ao longo do tempo ou ela se baseia em provas sólidas

A resposta a essa questão é fundamental para o Cristianismo.

Pois se Jesus levantou-Se dos mortos, isso validaria tudo o que Ele disse sobre Si mesmo, sobre o significado da vida e sobre o nosso destino depois da morte.

Se Jesus ressuscitou dos mortos então Ele tem sozinho as respostas sobre o significado da vida e sobre o que enfrentaremos após a morte.

Por outro lado, se a história da ressurreição de Jesus não for verdadeira, então o Cristianismo se baseia em uma mentira. O teólogo R. C. Sproul colocou isso nos seguintes termos:

“A veracidade da ressurreição é vital para o Cristianismo.  

Se Cristo foi erguido dos mortos por Deus, então Ele detém as credenciais e a certificação que nenhum outro líder religioso possui. 

Buda está morto. Maomé está morto. 

Moisés está morto. 

Confúcio está morto. 

Mas, de acordo com… o Cristianismo, Cristo vive.” - R. C. Sproul, reason to believe (Grand rapids, MI: Lamplighter, 1982), 44.

Muitos céticos tentaram contestar a ressurreição.

 Josh McDowell foi um desses que gastou mais de 700 horas pesquisando a evidência da ressurreição. McDowell fez a seguinte declaração a respeito da importância da ressurreição: 

“Cheguei à conclusão de que, de duas uma, ou a ressurreição de Jesus é um dos embustes mais mal-intencionado, cruel e desumano jamais impostos às mentes humanas OU é o fato mais fantástico da história.” - Josh McDowell, As novas provas que Exige um Veredito (San Bernardino, CA: Aqui está a Vida, 1999), 203.

Então, a ressurreição de Jesus é um fato fantástico ou um mito cruel?

Para chegarmos a essa resposta, temos de examinar a evidência da história e tirar nossas próprias conclusões.

Vamos ver o que os céticos que investigaram a ressurreição descobriram por conta própria.


CÍNICOS E CÉTICOS 

Nem todos estão dispostos a examinar detalhadamente as evidências.

Bertrand Russell admite que a sua opinião acerca de Jesus “não se baseou” em fatos históricos.- Bertrand Russell, Por que não sou cristão (New York: Simon & Schuster, 1957), 16.  

O historiador Joseph Campbell, sem citar nenhuma prova, alegou calmamente aos seus espectadores no canal de televisão americano PBS, que a ressurreição de Jesus não é um evento fatual. - Joseph Campbell, Uma entrevista com Bill Moyers, Joseph Campbell eo poder do mito, PBS especial de TV de 1988.

Outros eruditos, como John Dominic Crossan, do Seminário de Investigação sobre Jesus, concordam com ele. - Michael J. Wilkins e JP Moreland, eds, Jesus sob Fogo (Grand Rapids, MI: Zondervan, 1995), 2.

Nenhum desses céticos apresentou nenhuma prova que embase seu ponto de vista.
 
Os verdadeiros céticos, em oposição aos cínicos, estão interessados em evidências.

Um editorial da revista Cética intitulado “O que é um cético?”, apresentou a seguinte definição:

“Ceticismo é… a prevalência da razão sobre qualquer ideia, sem exceção à regra. Em outras palavras… os céticos não entram em uma investigação quando não há nenhuma possibilidade de que o fenômeno seja real e de que a crença seja verdadeira. Quando alegamos que somos “céticos”, queremos dizer que queremos ver evidência convincente antes de acreditarmos.” - "O que é um cético?" Editorial em Skeptic, vol 11, no. 2), 5.

Diferente de Russel e Crossan, muitos céticos verdadeiros investigaram as provas da ressurreição de Jesus.

Nesta postagem, entraremos em contato com alguns deles e veremos como analisaram a evidência da que talvez seja a pergunta mais importante da história da raça humana:


JESUS RESSUSCITOU DOS MORTOS?

AUTOPROFECIA

Antes da sua morte, Jesus disse a seus discípulos que seria traído, preso e crucificado, e que voltaria à vida três dias depois.

Esse plano é, no mínimo, estranho

O que estava por detrás disso

Jesus não era nenhum artista tentando atuar de acordo com os anseios da plateia.

Pelo contrário, ele prometeu que a Sua morte e ressurreição provariam a todos (se as suas mentes e corações estivessem abertos) que Ele era realmente o Messias esperado.

O pesquisador bíblico Wilbur Smith alegou sobre Jesus:

“Quando disse que Ele próprio ressuscitaria dentre os mortos, ao terceiro dia depois de ter sido crucificado, alegava algo que só um louco ousaria dizer, se esperasse ainda a devoção de algum discípulo, a menos que tivesse certeza de que isso aconteceria. 

Nenhum fundador de nenhuma religião do mundo conhecida pelo homem se atreveu alguma vez a fazer uma afirmação semelhante.” - Wilbur M. Smith, A grande certeza nesta hora de crises mundiais (Wheaton, Ill: Van Kampen Press, 1951), 10, 11

Em outras palavras, como Jesus disse claramente a seus discípulos que voltaria depois da sua morte, deixar de cumprir com essa promessa o exporia como uma fraude.

Mas estamos indo depressa demais.

Como morreu Jesus antes de (se isso realmente aconteceu) Se levantar dos mortos?


UMA MORTE TERRÍVEL E DEPOIS...?
 
Você faz uma idéia de como foram às últimas horas da vida terrena de Jesus se assistiu ao filme de Mel Gibson.

Se você perdeu parte do filme A Paixão de Cristo porque estava tapando os olhos (seria mais fácil se ele tivesse sido filmado com um filtro vermelho na câmera), basta folhear as últimas páginas de qualquer um dos evangelhos do Novo Testamento para encontrar o que perdeu.

Como Jesus predisse, ele foi traído por um dos seus próprios discípulos, Judas Iscariotes, e foi preso.

Em um julgamento simulado diante do governador romano Pôncio Pilatos, Ele foi declarado culpado de traição e condenado a morrer em uma cruz de madeira.

Antes de ser pregado à cruz, Jesus foi espancado brutalmente por um “gato com nove rabos” romano, um chicote feito com pontas de ossos e metal que se destinava a rasgar a carne.

Ele foi esbofeteado repetidas vezes, chutado e cuspido.

Em seguida, usando martelos, os carrascos romanos cravaram os pesados pregos de ferro forjado nos punhos e pés de Jesus.

Finalmente, eles erigiram a cruz em um buraco no solo, entre duas outras cruzes, onde se encontravam ladrões condenados.

Jesus ficou pendurado por aproximadamente seis horas.

Então, às três horas da tarde, ou seja, exatamente no mesmo momento que o cordeiro da páscoa judaica estava sendo sacrificado como uma oferta pelo pecado (há um pouco de simbolismo aí, não concorda?)

Jesus gritou “Está consumado” (em aramaico) e morreu.

Repentinamente, o céu ficou escuro e um terremoto sacudiu a terra. - O historiador Will Durant relatou: "Em meados deste século um nome Thallus pagão ... argumentou que a escuridão anormal acusado de ter acompanhado a morte de Cristo foi um fenômeno puramente natural e coincidência; o argumento levou a existência de Cristo como um dado adquirido. A negação de que a existência nunca parece ter ocorrido até mesmo para os mais amargos gentios ou judeus oponentes do cristianismo nascente. "Will Durant, César e Cristo, vol. 3 de A História da civilização (New York: Simon & Schuster, 1972), 555.

Pilatos queria uma comprovação de que Jesus estava morto antes de permitir que seu corpo crucificado fosse sepultado.

Assim, um guarda romano perfurou com uma lança um lado de Jesus.

A mistura de sangue e água que verteu era uma clara indicação de que Jesus estava morto.

O corpo de Jesus foi tirado da cruz e sepultado no túmulo que pertencia a José de Arimateia.

Os guardas romanos, em seguida, selaram a tumba e a vigiavam 24 horas por dia.

Nesse meio tempo, os discípulos de Jesus estavam em choque.

O Dr. J. P. Moreland explica quão devastados e confusos eles ficaram depois da morte de Jesus na cruz.

“Eles não tinham mais confiança de que Jesus tinha sido enviado por Deus. 

Eles também tinham sido ensinados de que Deus não permitiria que seu Messias sofresse a morte. 

Dispersaram. 

O movimento de Jesus terminava naquele momento.”- Citado em entrevista JP Moreland, Lee Strobel, o caso de Cristo (Grand Rapids, MI: Zondervan, 1998), 246.

Toda esperança havia acabado.

Roma e os líderes judaicos haviam prevalecido, pelo menos, era o que parecia.

Na próxima postagem veremos que algo aconteceu!


Até lá.


Que Deus abençoe a todos.


Fonte: http://jesusreal.blogspot.com.br
  

*VISITE TAMBÉM: LOUVE! - https://www.facebook.com/grupolouve?ref=profile VALE A PENA. Related Posts Plugin for WordPress, Blogger... Related Posts Plugin for WordPress, Blogger... Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Template Rounders modificado por ::CAMINHO PLANO::
| 29/11/2008 |